Carta de Fundação OAZ

Saudações libertárias a todas e todos!

Após várias experiências e labor, debruçadas e debruçados sobre os estudos e primeiras vivências no seio social dos princípios anarquistas, algumas e alguns militantes, enxergaram a necessidade de se organizar mais e mais para se concluir a caminhada para revolução social que tanto almejamos E esta revolução não se realizará de forma mágica. Fazem-se necessários elementos orgânicos que estejam atuando firmemente agora no presente, para fazer gerar as condições para estes objetivos.

Os quase dois anos do Grupo de Estudos Anarquistas do Piauí – GEAPI foram um laboratório sem igual, que permitiu acesso e conhecimento sobre o anarquismo no Piauí, colocando novamente socialismo libertário em pauta nas esferas dos movimentos populares. Mas a estrutura de grupo de estudos tem certas limitações, tanto na questão programática, quanto em organização política, que impedem alcançar resultados mais objetivos na luta contra o Estado e o capitalismo.

O momento atual exige de nós anarquistas, olharmos para os princípios com disciplina, planejamentos, empenho, em suma, organizados e organizados. Como já observou Dalton:

“A questão, então, nos é colocada de frente, sem possibilidade de evitá-la: podemos estar sinceramente satisfeitos com a propaganda? A propaganda, já admitimos, foi necessária para construir um movimento como o que temos hoje em dia. Mas não pode continuar sendo o foco exclusivo de nossos esforços atuais – a propaganda não pode determinar as necessidades da organização; são as necessidades da organização que devem determinar a propaganda. Podemos estar satisfeitos, com toda honestidade, indo de luta em luta divulgando nossos princípios? Nesta altura, deveríamos estabelecer algo mais para nós, deveríamos buscar uma linha de ação e de pensamento estratégico, que dê coerência à nossa participação (ou não participação) em uma ou outra luta. É hora de assumir responsavelmente a importância que nosso movimento conseguiu e deveríamos começar a nos comportar de acordo com esta circunstância’’

Não há outra caminhada para militantes que desejam provocar rupturas senão a da organização. Num processo dialético, a (o) militante precisa da organização e a mesma precisa do militante extremante afinado e disposto a desenvolver o trabalho sério junto com as camadas oprimidas pelo Estado e pelo capitalismo. Não com a intencionalidade de representá-las, nem falar por elas e muito menos doutriná-las a partir de verdades pré-estabelecidas. O nosso papel, enquanto militantes e organização é de provocar e construir os meios e jeitos para a população organizar-se e dar a resposta necessária para nossos algozes. Nosso papel é construir conjuntamente, a nível social os caminhos para transformação da realidade, que não virá de forma espontânea. Diante disso tudo, nós, grupo de militantes anarquistas, no auge de suas reflexões, enxergando todos os desafios e barreiras impostas, e acreditando na organização como ferramenta fundamental para se chegar a um futuro justo e livre de toda ordem de opressão, fundamos a OAZ (Organização Anarquista Zabelê), que leva em seu nome uma grande guerreira indígena piauiense chamada Zabelê, que fazia parte da tribo Amanajós, localizada a poucos quilômetros de Oeiras, Zabelê foi morta e Tupã resolveu transformar a índia em uma ave que canta triste sempre ao entardecer. Enxergamos em Zabelê uma grande guerreira e queremos visibilizar as minorias que sempre estiveram presentes em nossa história, então decidimos carregar conosco um grande símbolos de nossa raiz, nesse contexto surge o nome Organização Anarquista Zabelê – OAZ!