Princípios

caderno_social

 

PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO ANARQUISTA ZABELÊ-OAZ

 

CLASSISMO

O sistema capitalista explora todos e todas trabalhadores e trabalhadoras, reforça e lucra com o machismo, racismo, homofobia, xenofobia e toda e qualquer forma de opressão. O capitalismo destrói a natureza. O capitalismo aliena as pessoas, promove a barbárie e escraviza 99% das pessoas no mundo. Somos contra o capitalismo e lutamos para que este sistema seja destruído para que possamos construir uma nova sociedade, um novo mundo, justo e equânime.

FEDERALISMO

O federalismo é um princípio de organização social pautado na destruição do estado e reestruturação social com alicerces filosóficos enraizados na desburocratização e autonomia de órgãos menores facilitando a participação ampla da população. Sem o autoritarismo vertical do estado. É inspirado na filosofia bakuninista do “de baixo para cima” e “da periferia para o centro”, valorizando os aspectos culturais e de democracia de cada região. Acreditamos no federalismo como forma de participação democrática dos trabalhadores para que haja uma sociedade sem classes e sem estado.

INTERNACIONALISMO

A luta contra com capitalismo e a autoridade do estado não se resume a um território exclusivamente ou à uma pátria/nação, ela é internacional. Somos todas e todos irmãos, exploradas e explorados, oprimidas e oprimidos. Defendemos a luta internacional das(os) trabalhadores (as), camponeses (as), estudantes, moradores de rua, povos escravizados pelo sistema capitalista e sustentados pelo estado. Acreditamos que só estaremos livres das amarras quando todos os estados e todo resquício explorador do capitalismo cair em todo o mundo.

COMBATE ÀS OPRESSÕES

Entendendo as estruturas de opressão construídas socialmente, sabemos o quanto segregam e enfraquecem a classe trabalhadora; se almejamos construir uma nova sociedade onde tais opressões não possam existir e nem nos segregar, então desde já é importante e essencial combater machismo, racismo, LGBTfobia e todo padrão de beleza, para que assim seja possível existir de fato uma sociedade não mais baseada na opressão de um gênero, orientação sexual e cor sobre outra.

AUTOGESTÃO

Acreditamos na autogestão como forma de organização social e gestão das produções de toda coletividade. A autogestão é uma forma libertária, anticapitalista e anti-estado, pautada na igualdade e horizontalidade. Deve ser exercida e aplicada em todos os níveis da organização e como proposição para todos os espaços de atuação organizados.

AÇÃO POLÍTICA/INSERÇÃO SOCIAL

Nossa ação política é trabalhada junto ao povo, no campo, nos sindicatos, entidades de base estudantis, nos subúrbios, favelas, escolas, mulheres, LGBTTs, Negros e Negras, associações de moradores, assentamentos e em atos e manifestações públicas. Nossa ação política é de propaganda da ideologia anarquista, de apresentar nosso programa político para organizar as massas para a revolução social/fim de qualquer tipo de opressão ou melhorias significativos para a classe trabalhadora que extrapolem a autoridade do estado, não para oportunismos eleitoreiros da democracia burguesa. Nossa ação política é baseada na AUTONOMIA em relação ao aparelho estatal e qualquer tipo de financiamento privado.

AÇÃO DIRETA/COMBATIVIDADE

Para se lutar contra o capitalismo, o estado, o machismo, o racismo, a lgbtfobia e a xenofobia não apenas ações políticas derrubarão este sistema opressor e desigual. É necessário enfrentá-lo com COMBATIVIDADE enfrentando a mídia hegemônica, a estrutura policial e jurídica e as decisões da democracia burguesa. Acreditamos que a luta contra a estrutura do sistema vigente é dura e necessita de enfrentamentos diretos e ações contundentes.

ÉTICA MILITANTE

A atuação de cada militante deve ser parametrizada pelos princípios e pela coerência ideológica. Não dá para ser anarquista somente dentro da Organização. É dever de todas e todos participantes, atuar em todos os espaços a partir dos preceitos libertários e não somente após uma revolução. É dever do militante pautar e viver a partir dos valores libertários, o que exige da gente toda disciplina e responsabilidade de cada uma e um.

ESPECIFISTA

Acreditamos que devemos nos organizar enquanto anarquistas e reivindicamos o anarquismo como alternativa e modelo socialista para a construção de uma nova sociedade. Acreditamos na organização dos trabalhadores em vários setores (rever esse termo) e junto a isso na organização dos/das anarquista em implementar ações políticas e diretas.