08 de Março: às que foram, às que continuam,às que virão.

8 de março

Inicia-se mais um 8 de março e acordamos com um gosto amargo na boca. Entendemos a importância simbólica do dia, mas sabemos que hoje é um dia combativo como os outros, não temos o que comemorar, principalmente nós, mulheres da classe trabalhadora, LGBT, pretas e de periferia, que sofremos triplamente, somos exploradas pelo capitalismo, oprimidas pelo machismo e mortas pelo racismo. Estamos passando por uma série de ataques aos nossos direitos, mergulhadas em uma crise econômica que provoca o encarecimento da cesta básica, aumento na energia, desemprego, terceirização, fechamento das escolas públicas e mais uma vez nos entregando a marginalidade, extermínio da juventude negra, crescimento de 54% na morte de mulheres negras no Brasil, nossos corpos entregues as leis da igreja e do estado, tal estado que legitima nossa morte, nossa vida precária.

Mas nós mulheres classistas, que negamos o estado opressor, machista e racista, saímos do anonimato pra reivindicar, contrariando as estáticas que nos mata, tomamos o fronte guerreando contra a tripla opressão e mostrando para nossas companheiras que nosso lugar é na luta, no fronte, na guerra, no feminismo classista, derrubando o estado, o capital, racismo, machismo e LBTfobia. Nosso 8 de março vai ser na rua, na luta, na periferia, incitando o e fortalecendo o feminismo classista.

Salve as mulheres classistas!

Salve as mulheres pobres e de periferia!

Salve as mulheres anarquistas!

 

Mulheres da Organização Anarquista Zabelê